Especialistas falam sobre a reinvenção das relações profissionais e apontam que 2021 será “extensão” de 2020

Compartilhe essa notícia

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on email
Share on whatsapp
Share on telegram

A pandemia transformou o mundo corporativo e trouxe novos desafios para a gestão das empresas. O home office e as reuniões online tiveram que ser incorporadas subitamente, obrigando as organizações a criar alternativas para sobreviver. O webinar “Coronavírus e a reinvenção dos relacionamentos”, transmitido na última quinta-feira (10), debateu as mudanças, os aprendizados e impactos causados pela Covid-19 no dia-dia das empresas. Com a vacina ainda em compasso de espera, a tendência é que 2021 seja uma continuação de todas as transformações impostas neste ano.

Webinar Arena de Ideias discutiu as mudanças impostas nas organizações com a pandemia do novo coronavírus

“A nossa perspectiva para 2021 é que, pelo menos o primeiro semestre, será um 2020 parte 2. Tivemos expostas muitas fraturas na nossa sociedade, que são os grandes tema da humanidade para a próxima década. Espero que a pandemia tenha subido a barra da consciência coletiva e todo mundo esteja mais atento aos problemas que o mundo vai enfrentar até 2030”, afirma a fundadora da Oxygen, Andrea Janér.

Para a presidente da Associação Brasileira de Relações Institucionais e Governamentais (Abrig), Carolina Venuto, a Covid-19 ressignificou as relações profissionais.

“Fomos impostos numa realidade virtual de uma forma aceleradíssima e não estávamos preparados para isso. Do dia para a noite não podemos ter mais contato pessoal. Nós somos um povo informal, estamos acostumados a abraçar, estar junto. Para a nossa atividade havia um formalismo. Quando a gente passa a ter que abrir a nossa esfera íntima para as autoridades, existe um limiar tênue”, explica.

Nesse contexto de transformação das relações profissionais, a sócia-diretora da In Press Oficina, Patrícia Marins, aponta que o vírus expôs as fragilidades e vulnerabilidades dos seres humanos.

“A Covid -19 é uma grande crise de confiança no sistema de saúde, na esperança, em quem somos. Somos seres muito frágeis e um vírus nos coloca reféns sem sabe quando nós vamos sair. A Covid traz também a sintaxe da empatia, vulnerabilidade, da autenticidade, de ser quem eu sou”, avalia.

“A Covid traz também a sintaxe da empatia, vulnerabilidade, da autenticidade, de ser quem eu sou”

patrícia marins

Saúde mental e os riscos da segunda pandemia

Além de centenas de milhares de mortes, a Covid-19 trouxe graves efeitos colaterais na saúde da população. Entre eles estão os distúrbios mentais, como a depressão e o suicídio. “A saúde mental está acarretando uma segunda pandemia. Dentro das empresas se reflete no bornout. E fora em suicídio e depressão. Em um mês o Japão teve mais morte por suicídio do que por Covid o ano inteiro. Vão nascendo as sequelas e temos que lidar”, pontua Andrea.

Diante desse cenário, Patrícia reforça a necessidade de repensar a qualidade das relações não só profissionais, mas também pessoais. “Os nossos idosos gostariam de estar junto e não estão. Os jovens fazendo aula online e se privando. A qualidade dessas relações é um tema que precisamos ter no nosso radar. Isso tem feito com que a nossa saúde mental tenha ganhado contornos ainda mais dramáticos”.

Para acompanhar tudo que aconteceu no debate, acesse nosso canal no YouTube e assista na íntegra! Nossa Arena de Ideias acontece toda quinta-feira, às 9h30, lá no canal.

Perdeu algum Arena? Assista aos últimos episódios:

Explore mais conteúdos

Impressões

Bolsonaro fala ao mundo… virtual

A participação do presidente Jair Bolsonaro na 76ª Assembleia Geral das Nações Unidas, em Nova York, incendiou o ambiente online no começo da semana. As

Cenas

Cenas da Semana – Edição 175º

Promotora do DF usa redes sociais para fazer apologia ao nazismo A promotora Marya Olímpia Ribeiro Pacheco, do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios